O Dia da Toalha

Digite no Google o título deste artigo. Certamente você irá encontrar algumas milhares de inscrições e referências. Mas o que diabos é esse tal “Dia da Toalha”? Para os twitteiros ele é, agora, trend topic worldwide. Para a galerinha do #orgulhonerd, também. Não. Não é só isso. Tem que ter alguma outra coisa. E, na verdadade, tem.

Ninguém é obrigado a saber do que se trata esse dia, portanto, a gente faz uma breve explanação. O Dia da Toalha é celebrado, desde 2001, no dia 25 de maio (vulgo hoje), como uma homenagem dos fãs ao autor da série O Guia do Mochileiro das Galáxias, o escritor britânico Douglas Adams.

A saga de cinco livros – “O Guia do Mochileiro das Galáxias” e as continuações: “O Restaurante no Fim do Universo”; “A Vida, o Universo e Tudo Mais”; “Até Mais, e Obrigado pelos Peixes” e “Praticamente Inofensiva” – que vendeu milhões de exemplares pelo mundo todo, e foi adaptada para o cinema, conta a história de Arthur Dent e seus amigos em aventuras pela galáxia e pelo tempo. Um detalhe primordial da história é a importância da toalha para os “viajantes da galáxia”, a qual seria útil para as mais variadas e inimagináveis situações.

Primeiramente, quando do falecimento de Douglas Adams, fãs do autor queriam encontrar uma forma de homenagear uma pessoa que tinha feito o mundo rir, então precisavam de um tema engraçado para sua homenagem. Como sua mais conhecida obra é O Guia do Mochileiro das Galáxias, e como no livro o autor dedicou um página inteira sobre a toalha e sua importância para os mochileiros das galáxias, decidiu-se então pelo uso da toalha como tema da homenagem.

O Guia diz: “A toalha é um dos objetos mais úteis para um mochileiro interestelar. Em parte devido a seu valor prático: você pode usar a toalha como agasalho quando atravessar as frias luas de Beta de Jagla; pode deitar-se sobre ela nas reluzentes praias de areia marmórea de Santragino V, respirando os inebriantes vapores marítimos; você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham avermelhadas no mundo desértico de Kakrafoon; Pode usá-la como vela para descer numa minijangada as águas lentas do rio Moth; Pode umedecê-la e utilizá-la para lutar em combate corpo a corpo; enrolá-la em torno da cabeça para proteger-se de emanações tóxicas ou para evitar o olhar da Terrível Besta Voraz de Traal (um animal estonteantemente burro, que acha que, se você não pode vê-lo, ele também não pode ver você – estúpido feito uma anta, mas muito, muito voraz); Você pode agitar a toalha em situações de emergência para pedir socorro; E naturalmente pode usá-la para enxugar-se com ela se ainda estiver razoavelmente limpa. Porém o mais importante é o imenso valor psicológico da toalha. Por algum motivo, quando um não-mochileiro descobre que um mochileiro tem uma toalha, ele automaticamente conclui que ele tem também escova de dentes, esponja, sabonete, lata de biscoitos, garrafinha de aguardente, bússola, mapa, barbante, repelente, capa de chuva, traje espacial, etc., etc. O que o não mochileiro vai pensar é que, se um sujeito é capaz de rodar por toda a Galáxia, acampar, pedir carona, lutar contra terríveis obstáculos, dar a volta por cima e ainda assim saber onde está sua toalha, esse sujeito claramente merece respeito.”


Caso você não seja nerd o suficiente para usar uma toalha hoje, dê uma chance para que Douglas Adams entrar na sua vida e você vai agradecer por conhecer o atrapalhado terráqueo Artur Dent; o extraterrestre Ford Perfect, cujo nome verdadeiro é impronunciável inclusive para ele próprio; e Marvin, o robô depressivo que tem um QI 30 bilhões de vezes maior que o de um ser humano.

A galeria de personagens é exuberante, como os atrapalhados e terríveis vogons; o peixe babel que introduzido no ouvido traduz qualquer língua para qualquer outra; o gerador de probabilidades infinitas e muito mais. Cada página é uma surpresa delirante de uma mente divertidíssima, uma torrente interminável de histórias surreais e loucas.

Aqui vão dois trechos inspiradíssimos: “Nada viaja mais rápido do que a velocidade da luz, exceto, talvez, as más notícias, mas estas obedecem a leis especiais. Tentaram construir naves espaciais movidas a más notícias mas elas não funcionavam bem e eram extremamente mal recebidas sempre que chegavam a algum lugar” “Uma das coisas mais extraordinárias da vida é o tipo de lugares nos quais ela está preparada para sobreviver como entocada no intestino grosso de um rato pela mais pura diversão, a vida encontra uma maneira de ir levando as coisas em qualquer lugar”.

Então, se você permitir que Adams e seus personagens entrem em sua vida, talvez você não tatue 42 no corpo nem use uma toalha por todo o dia, mas se divertirá tanto quanto como aqueles que o fazem.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s